NOTA CONJUNTA PUBLICADA E LANÇADA PELA ATMO E ACDM EM 26/11/2011 FACE SITUAÇÃO DO CTMO-HEMOPE

26/11/2011 12:17

 

Novo Hemope

Após anos de sucateamento e endividamento, o HEMOPE, agonizante, ressuscita, tenta manter seus serviços e atendimentos em funcionamento, apesar da MORTE anunciada pelo Governo de Estado de Pernambuco do seu CTMO - Centro de Transplante de Medula Óssea.

Perplexos, ouvimos do próprio Secretário de Saúde, Dr Figueira, em solenidade no Palácio do Governo de Pernambuco no dia 24 de novembro, que Dr. Sampaio, atual Presidente do HEMOPE aprova o fechamento e fim das atividades do CTMO – HEMOPE. Tal fechamento daria fim as ações que vinham sendo realizadas antes, durante e pós-transplantes de medula óssea no estado. O trabalho do CTMO abrange não apenas os transplantados no referido Centro, como também os pacientes que estão a deriva, por terem sido transplantados em instituição privada no nosso estado ou em outros estados e não vinham sendo assistidas de forma integral. Os transplantadores fugiam de suas responsabilidades, o SUS não financia esta cobertura.

Seria a privatização da saúde pública e transfëncia das responsabilidades do Estado no que se refere ao transplante de medula óssea uma tentativa de iludir a população com a possibilidade de se oferecer melhores serviços a população do nosso Estado? Será que os cidadãos pernambucanos têm idéia de como está sendo executada essa privatização? Será que essa privatização nos livrará de futuras denúncias sobre troca de favores, cuja a sociedade sequer desconfia? Será que teremos a garantia de que os serviços realizados por essas instituições privadas serão realmente fiscalizados e corresponderão aos pré requisitos de um Centro de Transplante? Será que os leitos destinados ao usuário do SUS serão realmente respeitados, ou quem sabe utilizados pelos planos de saúde? Será que eles terão suas UTIs separadas dos demais doentes?

A imprensa POUCO ou quase nada divulga sobre essa questão os políticos pernambucanos idem. Consultou-se ao menos a população para que juntos, governo e povo (democraticamente), pudessem decidir o que seria melhor para o usuário? Alguém perguntou aos cerca de 80 pacientes na fila de espera para um transplante de medula óssea se essa decisão é de fato, a melhor?

E para quem trabalha no CTMO-HEMOPE, será a equipe especializada e com experiência de 10 anos de prática aproveitada naquilo que ela sabe fazer muito bem? O que pensam estes profissionais que conhecem ao vivo a realidade do atendimento, das condições de trabalho e uso de verbas no CTMO? Alguém já se fez estas perguntas? E as respostas? Será que em uma democracia devemos aceitar toda e qualquer decisão sem parar para refletir? Sem discussões? A Frente Contra a Privatização apóia nossa causa, que é a luta pelo não fechamento do único Centro de Transplante de Medula Óssea Público (CTMO) do norte e nordeste. Nessa batalha, anteriormente solitária e regional, modificou-se e hoje contamos com o apoio real de mais de 30 entidades nos vários estados de nosso país, numa árdua e difícil missão de pequenas formigas trabalhadoras.

Tal situação causa tamanha perplexidade que estamos recebemos apoio de movimentos organizados nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, onde citamos os trabalhos relevantes da ACDM – Ação Voluntária para Cadastro de Doadores de Medula Óssea, inclusive com a criação de petições eletrônicas, blogs, perfis no facebook e abaixo-assinados, que vão se espalhando por todos os cantos do Brasil.

Agradecemos aos hospitais que PLANEJAM aumentar o número de leitos para transplantes de medula óssea. TODO TRABALHO NESSE SENTIDO AJUDA E MUITO....mas.... eliminar o que já existe resolve o problema? Qual é a nossa necessidade? Será que o público e o privado não podem coexistir?

Sabemos que a necessidade hoje é de 30 leitos (atualmente são apenas 9) e o governo com o fechamento do CTMO estará atendendo essa necessidade? Há quantos anos ouvimos do governo do Estado a promessa de mudar o quadro. Mudança realmente está havendo com o fechamento do Centro de Transplante e a diminuição de 3 leitos. 

Imagine-se DOENTE e necessitando de um desses leitos...pior... imagine-se sentindo-se abandonado a própria sorte, sendo apenas mais um número em uma estatística qualquer. Hoje notas são publicadas nos jornais do estado de Pernambuco, tentando mais uma vez maquiar, com meias palavras o sofrido povo que necessita dessa complexa relação CTMO- SUS- HEMOPE . Quem tem dinheiro, melhores condições e plano de saúde se desloca para Curitiba, São Paulo, Jaú e tantos outros estados que têm centros de referência. Os que precisam do SUS, do HEMOPE do CTMO não receberão o tratamento fora do domicílio (TFD) do estado e são assim obrigados a ficarem dependentes das benesses do governo pernambucano.

Os pacientes, pasmem, por decreto do governo, têm que suspender o seu transplante, as necessidades de suas doenças até que o Hospital do Câncer em 2013 monte seu hospital, que o IMIP abra seus leitos e que Hospitais Universitários montem suas equipes.

Imagine-se esperando e sendo forçando a ver tudo isso e aguardando um transplante de medula óssea. Quem pensa e governa pelo povo, PLANEJA um período de transição esperado que TODOS os hospitais montem suas equipes e abram seus centros de transplante de medula óssea. O plano atual é praticamente uma sentença de morte para muitos dos 83 pacientes na fila de espera por um transplante de medula óssea em Pernambuco.

Nosso movimento não vai parar! Ele extrapola agora os limites do Estado de Pernambuco, transformando-se em movimento social pelo direto a vida e a saúde pública. A luta pelo direito da vida será travada incansavelmente! REAJAM CONTRA O FECHAMENTO ARBITRÁRIO DO CTMO- HEMOPE.

 

NOTA CONJUNTA PUBLICADA E LANÇADA PELA ATMO E ACDM EM 26/11/2011