Hemossul homenageia 1º doador de Medula Óssea na "Semana de Mobilização Nacional" -MATO GROSSO DO SUL

17/12/2011 15:12

 

Hemossul homenageia 1º doador de Medula Óssea na "Semana de Mobilização Nacional"


Laboratórios analisam compatibilidade entre doador e paciente. (Divulgação)

Nesta quinta-feira (15), começa a Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea. A celebração, que vai até o dia 21 de dezembro, foi instituída pela Lei n.º 11.930, de 22 de abril de 2009.

Em Mato Grosso do Sul, o Hemosul realiza, às 9 horas, a entrega de uma placa de homenagem ao primeiro doador de medula óssea do Estado, Anderson Francisco Sidrack Dantas de Souza, em nome de todas as pessoas que já doaram ou que possui cadastro na instituição.

Sidrack sempre foi doador de sangue e, em 2009, fez o cadastro como doador de medula óssea. Em menos de um mês, foi identificado um paciente compatível que estava a espera de um doador. ”Eu aceitei ser doador e fui para Jaú (SP). O procedimento é simples, no outro dia, eu fui liberado”, lembra.

O policial rodoviário federal conta que, apesar da doação trazer alívio ao paciente, ele é quem se sente ainda melhor, já que salvou uma vida que só dependia dele. “Mesmo quem não é doador de sangue eu indico fazer o cadastro, é uma possibilidade de estar ajudando uma pessoa de forma muito especial. Qualquer um pode te ajudar a trocar um pneu ou algo assim, mas no caso da medula só você pode ajudar aquela pessoa que é compatível com você”.

No evento, famílias de pacientes que aguardam um transplante também estarão presentes. Uma delas é a do Pastor Jorge Pavão dos Santos, de 43 anos. Ele tem uma filha de 9 anos que está com aplasia de medula, ou seja, não produz mais os elementos do sangue como as plaquetas e as hemoglobinas. “A medula dela paralisou. Ela precisa fazer tratamento e toma medicação. A doação de medula vai ajudar muito”, explica.

Pavão descobriu que a filha tinha a doença há três anos. Na época, o teste de compatibilidade das células da medula foi realizado em 29 pessoas da família e deu negativo. “Agora apareceu um doador e a expectativa é que no começo de janeiro a doação seja feita lá em Curitiba (PR). Foi difícil achar um doador, por isso é importante as pessoas se cadastrarem”, conta.

Doação

De acordo com a responsável pelo setor de medula do Hemosul, Lucéia Maria Fernandes, os interessados em doar medula óssea passam por duas etapas. A primeira é a do cadastro. A pessoa vai até o Hemosul para preencher um formulário com dados pessoais. Depois serão coletados 5 ml de sangue que será utilizado na realização de teste de histocompatibilidade, chamado de HLA.

O teste serve para determinar as características genéticas que são necessárias para confirmar a compatibilidade entre o doador e o paciente. Em caso se compatibilidade o possível doador é informado e então chamado para fazer exames complementares e realizar a doação.

A segunda etapa consiste na doação em si. Conforme Lucéia, existem duas formas de fazer a doação de medula óssea. “Primeiro, tem a filtração, que é semelhante a doação de sangue, o paciente toma um medicamento e uma máquina separa as células da medula. A outra forma é por pulsão óssea, quando as células são retiradas do interior do osso, geralmente da bacia da pessoa”, explica.

Este último procedimento exige a aplicação de anestesia. O paciente vai receber as células como se fosse um soro. O organismo do doador repõe as células em 15 dias. “Em Mato Grosso do Sul, ainda não temos um centro transplantador. Já tivemos doadores daqui que foram compatíveis com algum paciente e foram para o Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná para fazer a doação”, conta.

Uma em cem mil

A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de uma em cem mil, o que se torna um grande obstáculo no processo de cura dos pacientes visto que as chances são pequenas.

Para milhares de pessoas em todo o mundo o transplante de medula óssea é a única chance de cura de doenças como a leucemia e outras doenças sanguíneas. Hoje em todo o Brasil cerca de mil pessoas estão na fila de espera por um transplante, número considerado estável se considerado a evolução nos trabalhos, campanhas de mobilização da sociedade a doação, e no aumento de pessoas cadastradas no Registro Brasileiro de Doadores de Medula Óssea (Redome).

Em todo o País foram calculados até novembro deste ano 2,5 milhões doadores cadastrados. Desses, 101.278 são doadores cadastrados em Mato Grosso do Sul.

Adriana Oliveira

Fonte: www.msreporter.com.br/noticias/9745/semana-de-mobilizacao-nacional-para-doacao-de-medula-ssea-comeca-hoje